Já sou Afiliado

Logo_onph_500x500compress

Lidar com frustrações e limitações

6 estratégias para lidar com a raiva e viver melhor

| Tempo de leitura: 9 minutos

 

Saber controlar sua raiva pode não ser uma tarefa fácil diante de situações que o enlouquecem. Quando alguém fura a fila ou em um engarrafamento na sua frente, o sangue parece ferver e a reação é tão rápida que parece fora de controle.

Embora a raiva seja geralmente uma emoção interpretada negativamente, ela também pode ser positiva. No entanto, devido à alta intensidade, as pessoas acharam difícil controlá-lo. Na verdade, poucas pessoas sabem que é possível!

As pessoas muitas vezes expressam sua raiva por meio de gritos, xingamentos, confronto físico e agora comentários ofensivos na internet. Vemos esses comportamentos em todos os lugares, não é? Mas pode ser expresso de uma forma boa, para a saúde física e mental.

O que é raiva?

De acordo com o Dr. Charles Spielberg e psicólogos especializados em raiva, a raiva é estado emocional de intensidade variável. Pode variar de irritação leve a raiva cega.

Além de mudar o humor, a raiva aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, bem como os níveis de hormônios energéticos, como epinefrina e norepinefrina. Uma pessoa que está com raiva da vida tem maior probabilidade de desenvolver pressão alta e doenças cardíacas. Níveis elevados de adrenalina também podem levar ao aumento da pressão arterial, além de tontura, dores de cabeça, taquicardia e sensação de quase morte (comum em atividades extremas, como bungee jumping).

Por causa desses efeitos colaterais, não é saudável ceder à vontade de se enfurecer e sair por aí lutando contra o mundo. A raiva é uma resposta a uma ameaça para dar ao indivíduo a força e a energia para se proteger.

Hoje, existem maneiras pacíficas, civilizadas e sem estresse de fazer isso. Portanto, esse instinto raramente é necessário na vida moderna. É por isso que muitas vezes se diz que as pessoas raivosas estão “fora da cabeça” ou “fora da cabeça”. É como dizer que alguém “só pode fazer isso como um louco”.

Os efeitos da raiva descontrolada

As pessoas que estão sempre com raiva, discutindo com a TV ou a Internet, ou abordando deliberadamente questões que as deixam com raiva, tendem a afastar as pessoas ao seu redor. Amigos e familiares estão fartos desse comportamento e em passeios e churrascos.

Esse isolamento social involuntário não é agradável nem bom para a saúde mental, principalmente quando está fora do controle das partes envolvidas. Por exemplo, as quarentenas devido à pandemia de Covid-19 levaram a demissões em massa e restrições à liberdade.

Espera-se que uma situação como essa induza muitas emoções negativas, mas elas não podem ser acomodadas no coração humano. A euforia contínua sobre fatores além do nosso controle, como a incurabilidade ou a imprudência dos outros, pode deixar qualquer pessoa (e aqueles ao seu redor) doente.

Os efeitos da raiva cumulativa

As pessoas que têm dificuldade em expressar sentimentos muitas vezes internalizam a raiva. Em vez de confiar em suas emoções e necessidades, guarde tudo em seu coração. Não saber como controlar a raiva nessa situação pode levar a expressões patológicas.

Atitudes passivo-agressivas e palavras dirigidas ao objeto da raiva, como retaliar indiretamente contra um colega ou afastar-se de um amigo em resposta a um comportamento não aprovado sem apresentar uma razão. Conflitos não resolvidos ainda podem levar a outros e atrapalhar o delicado relacionamento entre os indivíduos.

Ser cínico também é uma maneira ineficaz de expressar raiva. Os cínicos são irritantes, críticos e humilham os outros. Portanto, a outra pessoa sai e o relacionamento não avança.

Como controlar a raiva?

Você pode estar se perguntando que aprender a controlar a raiva não é ineficaz. Não seria mais útil evitá-lo completamente?

Quando a raiva toma conta de nossos corações, pode levar a muitos problemas, como doenças cardiovasculares, estresse e depressão. Portanto, como outras emoções humanas, deve ser exteriorizado.

Ela pode ser reservada para condições mais graves ou gerenciada para coibir atitudes impulsivas, mas não pode ser totalmente evitada. O ideal é redefinir o clima no momento em que a raiva surgir.

Esse cuidado deve ser feito diariamente para que as mudanças se reflitam em todas as áreas da sua vida. Para o ajudar a encontrar o seu equilíbrio e temos algumas dicas!

Invista em autoconhecimento

Pense em quando você estava com raiva. A raiva está relacionada a um problema específico? Política, futebol ou religião? Ou está relacionado a alguma situação ou pessoa? Perguntar a si mesmo sobre sua atitude é a melhor maneira de obter insights sobre suas emoções e crenças.

A resposta pode demorar um pouco para aparecer, mas praticando este exercício todos os dias, você verá como sua mente fica clara.

É assim que funciona o autoconhecimento: aos poucos, você encontrará mais respostas. Invista em tecnologia e prática para aprender sobre si mesmo e descobrir os aspectos ocultos de sua personalidade.
Espera-se que uma situação como essa induza muitas emoções negativas, mas elas não podem ser acomodadas no coração humano. A euforia contínua sobre fatores além do nosso controle, como a incurabilidade ou a imprudência dos outros, pode deixar qualquer pessoa (e aqueles ao seu redor) doente.

Procure psicoterapia

Se você tentou e falhou, ou acha que há um fator maior por trás de sua raiva, como problemas passados, a psicoterapia pode ajudá-lo a encontrar mecanismos de controle. Mesmo as raivas mais autodestrutivas podem ser controladas com aconselhamento.

Durante a psicoterapia, um profissional de saúde mental procurará as causas da ineficácia emocional e desenvolverá estratégias para você praticar (sim, como treinamento) para se tornar uma pessoa mais zen.

O trabalho é feito com calma, respeitando seus limites, mas também tentando incentivá-lo a enfrentar seus problemas com raiva. Vale ressaltar que a profissão mais adequada é aquela que permite que você se sinta à vontade para fazer a sua durante o processo de consulta.

Não se preocupe se não souber por onde começar ou se tiver vergonha de pedir ajuda. Conte com ONPH BRASIL para te ajudar a encontrar o melhor profissional para você!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Lidar com frustrações e limitações

6 estratégias para lidar com a raiva e viver melhor

| Tempo de leitura: 9 minutos

 

Saber controlar sua raiva pode não ser uma tarefa fácil diante de situações que o enlouquecem. Quando alguém fura a fila ou em um engarrafamento na sua frente, o sangue parece ferver e a reação é tão rápida que parece fora de controle.

Embora a raiva seja geralmente uma emoção interpretada negativamente, ela também pode ser positiva. No entanto, devido à alta intensidade, as pessoas acharam difícil controlá-lo. Na verdade, poucas pessoas sabem que é possível!

As pessoas muitas vezes expressam sua raiva por meio de gritos, xingamentos, confronto físico e agora comentários ofensivos na internet. Vemos esses comportamentos em todos os lugares, não é? Mas pode ser expresso de uma forma boa, para a saúde física e mental.

O que é raiva?

De acordo com o Dr. Charles Spielberg e psicólogos especializados em raiva, a raiva é estado emocional de intensidade variável. Pode variar de irritação leve a raiva cega.

Além de mudar o humor, a raiva aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, bem como os níveis de hormônios energéticos, como epinefrina e norepinefrina. Uma pessoa que está com raiva da vida tem maior probabilidade de desenvolver pressão alta e doenças cardíacas. Níveis elevados de adrenalina também podem levar ao aumento da pressão arterial, além de tontura, dores de cabeça, taquicardia e sensação de quase morte (comum em atividades extremas, como bungee jumping).

Por causa desses efeitos colaterais, não é saudável ceder à vontade de se enfurecer e sair por aí lutando contra o mundo. A raiva é uma resposta a uma ameaça para dar ao indivíduo a força e a energia para se proteger.

Hoje, existem maneiras pacíficas, civilizadas e sem estresse de fazer isso. Portanto, esse instinto raramente é necessário na vida moderna. É por isso que muitas vezes se diz que as pessoas raivosas estão “fora da cabeça” ou “fora da cabeça”. É como dizer que alguém “só pode fazer isso como um louco”.

Os efeitos da raiva descontrolada

As pessoas que estão sempre com raiva, discutindo com a TV ou a Internet, ou abordando deliberadamente questões que as deixam com raiva, tendem a afastar as pessoas ao seu redor. Amigos e familiares estão fartos desse comportamento e em passeios e churrascos.

Esse isolamento social involuntário não é agradável nem bom para a saúde mental, principalmente quando está fora do controle das partes envolvidas. Por exemplo, as quarentenas devido à pandemia de Covid-19 levaram a demissões em massa e restrições à liberdade.

Espera-se que uma situação como essa induza muitas emoções negativas, mas elas não podem ser acomodadas no coração humano. A euforia contínua sobre fatores além do nosso controle, como a incurabilidade ou a imprudência dos outros, pode deixar qualquer pessoa (e aqueles ao seu redor) doente.

Os efeitos da raiva cumulativa

As pessoas que têm dificuldade em expressar sentimentos muitas vezes internalizam a raiva. Em vez de confiar em suas emoções e necessidades, guarde tudo em seu coração. Não saber como controlar a raiva nessa situação pode levar a expressões patológicas.

Atitudes passivo-agressivas e palavras dirigidas ao objeto da raiva, como retaliar indiretamente contra um colega ou afastar-se de um amigo em resposta a um comportamento não aprovado sem apresentar uma razão. Conflitos não resolvidos ainda podem levar a outros e atrapalhar o delicado relacionamento entre os indivíduos.

Ser cínico também é uma maneira ineficaz de expressar raiva. Os cínicos são irritantes, críticos e humilham os outros. Portanto, a outra pessoa sai e o relacionamento não avança.

Como controlar a raiva?

Você pode estar se perguntando que aprender a controlar a raiva não é ineficaz. Não seria mais útil evitá-lo completamente?

Quando a raiva toma conta de nossos corações, pode levar a muitos problemas, como doenças cardiovasculares, estresse e depressão. Portanto, como outras emoções humanas, deve ser exteriorizado.

Ela pode ser reservada para condições mais graves ou gerenciada para coibir atitudes impulsivas, mas não pode ser totalmente evitada. O ideal é redefinir o clima no momento em que a raiva surgir.

Esse cuidado deve ser feito diariamente para que as mudanças se reflitam em todas as áreas da sua vida. Para o ajudar a encontrar o seu equilíbrio e temos algumas dicas!

Invista em autoconhecimento

Pense em quando você estava com raiva. A raiva está relacionada a um problema específico? Política, futebol ou religião? Ou está relacionado a alguma situação ou pessoa? Perguntar a si mesmo sobre sua atitude é a melhor maneira de obter insights sobre suas emoções e crenças.

A resposta pode demorar um pouco para aparecer, mas praticando este exercício todos os dias, você verá como sua mente fica clara.

É assim que funciona o autoconhecimento: aos poucos, você encontrará mais respostas. Invista em tecnologia e prática para aprender sobre si mesmo e descobrir os aspectos ocultos de sua personalidade.
Espera-se que uma situação como essa induza muitas emoções negativas, mas elas não podem ser acomodadas no coração humano. A euforia contínua sobre fatores além do nosso controle, como a incurabilidade ou a imprudência dos outros, pode deixar qualquer pessoa (e aqueles ao seu redor) doente.

Procure psicoterapia

Se você tentou e falhou, ou acha que há um fator maior por trás de sua raiva, como problemas passados, a psicoterapia pode ajudá-lo a encontrar mecanismos de controle. Mesmo as raivas mais autodestrutivas podem ser controladas com aconselhamento.

Durante a psicoterapia, um profissional de saúde mental procurará as causas da ineficácia emocional e desenvolverá estratégias para você praticar (sim, como treinamento) para se tornar uma pessoa mais zen.

O trabalho é feito com calma, respeitando seus limites, mas também tentando incentivá-lo a enfrentar seus problemas com raiva. Vale ressaltar que a profissão mais adequada é aquela que permite que você se sinta à vontade para fazer a sua durante o processo de consulta.

Não se preocupe se não souber por onde começar ou se tiver vergonha de pedir ajuda. Conte com ONPH BRASIL para te ajudar a encontrar o melhor profissional para você!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe